O MODO CHINÊS DE FAZER A GUERRA NO SÉCULOS XX E XXI: RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GUERRA SOB A PERSPECTIVA DA REVOLUÇÃO NACIONAL

  • Bruno Magno
  • Athos Munhoz da Silva
  • Rômulo Pitt
  • Gustavo Henrique Feddersen

Resumo

Este trabalho tem por objetivo propor uma nova agenda de pesquisa para analisar como a China respondeu ao desafio da guerra no século XX. Tem-se como hipótese principal que a resposta a este desafio foi a construção de um conceito estratégico, operacional e tático próprio condizente com sua trajetória histórica específica, denominado aqui de Modo Chinês de Fazer a Guerra. Pressupõe-se que a principal peculiaridade dos países em desenvolvimento é o objetivo de inserirse no sistema internacional de forma autônoma. Para tanto, faz-se necessário concluir que sua revolução nacional, conceito de Celso Furtado, não está alheia ao fenômeno da guerra. O Modo Chinês de Fazer a Guerra constitui-se como uma concepção de travar a guerra que objetiva o impasse no nível estratégico e, no nível operacional, utiliza as vantagens do terreno a partir da engenharia de combate, visando anular, a partir do atrito, as vantagens tecnológicas do agressor. Este modo específico de fazer a guerra está relacionado tanto à defesa, no sentido militar, da Revolução Nacional, quanto à sua promoção. 

Publicado
2019-12-10
Como Citar
MAGNO, Bruno et al. O MODO CHINÊS DE FAZER A GUERRA NO SÉCULOS XX E XXI: RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GUERRA SOB A PERSPECTIVA DA REVOLUÇÃO NACIONAL. SÉCULO XXI: Revista de Relações Internacionais - ESPM/Sul, [S.l.], v. 9, n. 2, p. 28-48, dez. 2019. ISSN 2236-871X. Disponível em: <http://seculoxxi.espm.br/index.php/xxi/article/view/186>. Acesso em: 06 jun. 2020.